História do Photoshop e Illustrator

História do Photoshop e Illustrator

História do Photoshop e Illustrator: o que eles têm em comum com Vênus e Star Wars??

Fechando a semana de fotografia e ilustração, vamos conhecer a história do Photoshop e Illustrator, os dois programas mais usados para tais finalidades. Dentre as dezenas de ferramentas gráficas existentes no mercado, há pelo menos duas das quais você certamente já ouviu falar. Estamos nos referindo à dupla favorita da Adobe.

O Photoshop ficou tão famoso que é comum ver seu uso como verbo em situações mais informais. Quem nunca ouviu alguém dizer “Vou photoshopar isso…”?

Mas você já se perguntou alguma vez qual a diferença entre eles ou para que exatamente eles servem? Quais as vantagens e desvantagens? Leia esse artigo para ter a resposta dessas perguntas!
Todas as ilustrações desse artigo foram criadas por M. A. Kather, que cedeu as imagens para reprodução. Confira as imagens em alta resolução no seu projeto, no Behance.

A Data de Lançamento do Photoshop e Illustrator


Illustrator e Photoshop: data 1ª versão
A primeira versão do Illustrator foi lançada em 1987. A primeira versão do Photoshop, em 1990. Ficou surpreso? Pelo menos eu fiquei.

A História do Illustrator

Pois é, na época em que os computadores ainda nem sonhavam em exibir curvas sem distorções em suas telas, nascia o Illustrator. Originalmente criado para confecção de arquivos de fontes do editor de texto Lisa, do Apple II, ele foi anunciado em dezembro de 1986 e vendido pela primeira vez em janeiro de 1987.

Como sabemos, cada fonte (tipo) tem uma forma específica. O conjunto dessas formas e curvas traduzem em “personalidades”. Saiba mais sobre isso nos nossos posts sobre tipografia: I - Conceitos e Aplicações, II - Classificação das Fontes Tipográficas e III - Taxonomia das Fontes Tipográficas.

Não ficou muito claro por que o Illustrator surgiu para criar fontes? A seguir vamos explicar do que se trata a linguagem PostScript e as diferenças de uma imagem vetorial para uma rasterizada.

O Illustrator trouxe consigo a linguagem de programação PostScript. Ela é responsável por dar ordens a uma impressora para reproduzir uma linha, curva, letra ou gráfico. Com as impressoras matriciais, cada uma interpretava informações do computador da sua maneira e as fontes eram limitadas às pré-instaladas na impressora. Mas com o advento das impressoras a laser e o PostScript, qualquer impressora poderia imprimir qualquer curva (consequentemente, qualquer fonte).

Arquivos com esse formato também são conhecidos como gráficos vetoriais.

Illustrator e Photoshop: usos mais frequentes
O Illustrator é usado principalmente para imagens baseadas em vetor. O Photoshop, em imagens baseadas em pixels.

A explicação a seguir pode ser um pouco chata, mas completamente necessária para se entender o que é essa imagem vetorial (ou curvas, como algumas gráficas gostam de se referir), e o que são imagens bitmap, as baseadas em pixels.

As imagens vetoriais são, grosso modo, informações de direção para a impressora (se você lembra daquela aulinha de física, vetores são funções matemáticas de direção). Essas direções são comandos sobre onde cada ponto de tinta deve se colocar no papel; desse modo, a qualidade da arte final é diretamente dependente da qualidade da sua impressora e de quantos pontos por polegada (dpi - do inglês, dots per inch) ela consegue reproduzir.

Diferença entre Bitmap e Vetor. Fonte: Wikipedia

As imagens bitmap, por sua vez, são interpretadas como uma matriz (daquela aulinha de matemática... Lembra? Matrizes são tipos de tabelas). Cada célula dessa matriz é preenchida com uma cor, formando um pixel! Mas, se cada pixel é composto de 3 cores (vermelho, verde e azul), como é o caso de telas de LCD, por exemplo, ou 4 cores, no caso de impressões (ciano, magenta, amarelo e preto (CMYK)), cada pixel precisa de 3 a 4 informações para compor a cor final. Veja abaixo os vídeos de introdução ao Illustrator (em inglês).



A História do Photoshop

Em 1987 Thomas Knoll trabalhava na Industrial Light and Magic (ILM), que é especializada em efeitos especiais. Ele estava procurando meios de exibir imagens em escala de cinza nos computadores de tela monocromática daquela época. Sem achar uma solução pronta, ele decidiu criá-la fazendo seu próprio código no Apple II. Em seguida, com o lançamento do Macintosh, que foi a primeira tela a cores, ele também passou a desenvolver o programa para que imagens coloridas também fossem exibidas. Acontece que a ILM foi criada pela Lucasfilm para fazer os efeitos especiais de “Star Wars IV: A New Hope”, lançado em 1977. Quer dizer que se não fosse o primeiro Star Wars, não teríamos Photoshop hoje! Agora você verá esse filme com outros olhos, com certeza.

Até então, o Photoshop era chamado de ImagePro. À procura de investidores para desenvolver mais profundamente seu software, que tinha ficado bem mais complexo do que ele esperava - o que lhe deu a ideia de vender como um utilitário. Por isso, Thomas mudou o nome do programa várias vezes. A história diz que, provavelmente, o nome Photoshop foi sugerido por um potencial investidor durante uma demonstração do ImagePro.

Na época a Adobe era a empresa que tinha ambos interesse e condições para levar o processo de desenvolvimento do Photoshop (agora já com o nome final) adiante. Inicialmente ele foi apenas licenciado nos lugares em que já era usado, não foi lançado mundialmente. Enquanto isso, os irmãos Knoll e a Adobe trabalharam para tornar a ferramenta ainda mais completa e lançaram, em 1990, a versão 1.0 para Macintosh. A versão Windows só veio a partir da versão 3.0.

As Telas de Abertura


Illustrator e Photoshop: primeira tela de abertura

A primeira tela de abertura do Illustrator era a Afrodite, do famoso quadro renascentista The Birth of Venus, de Botticelli. Não vamos discutir aqui os elementos e influências presentes no quadro (mas caso queira saber mais, tem esse vídeo aqui e é muito bom! É em inglês, mas o YouTube gera legendas em português que podem ajudar).

Quer dizer, então, que se não fosse a Renascença, não teria Illustrator? Embora concluir que o Photoshop e o Illustrator surgiram como consequências de Star Wars e do Renascimento, respectivamente, fosse fechar o post com chave de ouro, receio ter de dizer que não.

Illustrator e Photoshop: zoom máximo
Em elevados índices de zoom, o Illustrator possui imagens nítidas e límpidas enquanto que o Photoshop fica com imagens borradas e embaçadas.

O problema que o Illustrator visava resolver era o de acelerar o processo de criação de design, que antes requeria muito tempo e habilidade com ferramentas complexas. Com ele, você poderia desenhar à mão e, com a ajuda de um scanner, traçar curvas e formas sobre a imagem original. A imagem final é vetorial (PostScript), ou seja, é sempre suave, não importa o quanto de zoom você dá, como mostra a imagem acima.

Mas o que isso tem a ver com a Afrodite?? Bem, uma das características da arte renascentista era a impressão de movimento. Eu expressei isso aqui com o uso do itálico, mas Botticelli se expressou com… Curvas! Por isso, até o ano de 2003, quando a primeira versão Creative Suite (CS) do Illustrator foi lançada, a sua tela inicial foi contemplada com a Afrodite (ou Vênus).

Veja abaixo, mais alguns infográficos mostrando as principais diferenças entre os programas:

Illustrator e Photoshop: comportamento Ctrl+Z
Toda a ação pode ser desfeita no Illustrator com o comando (⌘)Ctrl+Z, enquanto no Photoshop o atalho dá a ação de comparar.


Illustrator e Photoshop: comportamento seleção
Objetos são selecionados no Illustrator, enquanto no Photoshop se selecionam pixels.


Illustrator e Photoshop: trabalho em camadas
No Illustrator, as camadas possuem várias subcamadas. No Photoshop, não há recurso de subcamadas.


Illustrator e Photoshop: profissões populares
Não que não se faça arte com Illustrator, mas ele é destinado à criação de formas enquanto o Photoshop, à composição de imagens.


Illustrator e Photoshop: tempo de salvamento
O Photoshop demora muito mais para salvar (ou exportar) cada arquivo, se comparado ao Illustrator, pois ele deve processar cada pixel da imagem (rasterizar). O Illustrator, por sua vez, não trabalha com pixels, o que o torna mais rápido.


Fonte: Vecteezy, DigitalArts, Creative Blog.

E aí, gostou de conhecer a história do Photoshop e do Illustrator? Caso tenha gostado desse artigo, não se esqueça de curtir e compartilhá-lo com seus amigos. Caso você tenha alguma dúvida, sugestão ou crítica, deixe um comentário aqui abaixo. Aqui, a sua participação vale muito!

0 comentários: