Nós a visitamos tanto que muita vezes nem notamos. Estou falando da página inicial do maior buscador da atualidade: o Google. De tempos em tempos, seu logotipo é substituído por um desenho que conta uma história, o chamado doodle. Saiba mais sobre como é o trabalho de um doodler.



Guie o coração para mover a mente. Em um mundo cada vez mais digitalizado, uma conexão real e forte com seu cliente fica cada vez mais difícil. Apesar disso, o sentido fundamental de relações humanas ainda continua o mesmo: sentimento. O que isso tem a ver com seu negócio? Entenda.


Quando for fazer a divulgação de sua empresa, você está falando diretamente com seu cliente, certo? Mais ou menos… É a sua empresa que está falando com ele, que não passa de uma entidade que não possui, a princípio, sem personalidade.

Como podemos ver no post anterior sobre identidade visual, as empresas tentam se esquivar disso criando uma personalidade para a marca por meio da forma como respondem a clientes nas mensagens de suas redes sociais ou até mesmo no telefone, por meio do SAC. O uso de uma linguagem informal (não confundir com linguagem chula!!) cria uma conexão sentimental com o cliente, que também a usa no dia-a-dia.

Conte Histórias!

Os seres humanos são animais muito sociáveis. Se você já leu o famoso Guia do Mochileiro das Galáxias, sabe que o extraterrestre Ford Prefect acreditava que os humanos não param de falar por “... terem medo de que a boca se feche definitivamente.”. Mesmo que não tenha lido o livro agora você vai sempre se lembrar que no cotidiano nós falamos muito.

Além disso, estamos sempre procurando motivos para falar. Mesmo quando se trata de algo óbvio. Ainda citando os Mochileiros, Ford observou: “... alguém cai de um buraco de 10 metros de profundidade. Chega alguém e pergunta: ‘Ei! você está bem?’ ”, sendo que é claro que não!

Guie o Coração para Mover a Mente

Se você, assim como eu, é alguém muito objetivo (no dia-a-dia, pelo menos… Como podem ver os meus posts são bem longos xD ) você prontamente se identificou com os questionamentos do Ford e achou divertido quando leu essa passagem ou no livro ou agora no blog. E, ao final do dia, pode até esquecer o que teve no almoço, mas vai se lembrar de Ford Prefect.

Os quatro P’s

People, Purpose, Plot, Place. Pessoa, propósito, enredo e lugar. Em português seria PPEL. Dica: lembre de onde você escreve as histórias, uma folha de PaPEL (PPEL). ;)

Os livros e filmes seguem essa regra ao contar histórias. Primeiro você determina qual dos P você vai focar. Se você foca em People, você tem um drama ou romance (e normalmente é o de maior interesse, pois cativam o público). Se for no Plot (enredo), você tem um filme de ação. Se for em Purpose (propósito), você tem um comercial.

A pessoa, no caso a personagem, é a responsável por veicular a história por meio de seus desejos e paixões. Ela é o coração da história. Não no sentido sexual/afetivo, mas no sentido daquilo que nos move para buscar o que queremos para ser feliz. O seu produto!.

A trama é construída de tal modo que você não só se identifica com a personagem, mas também sente suas aflições e quer o melhor para ela (no caso para você) e passa a pensar como ela. É isso o que significa “guiar o coração para mover a mente”.

É aí que está o pulo do gato! Você, espectador, toma por si só uma decisão pela personagem: “Faz isso, depois aquilo.”. E então, alguns minutos (ou páginas) depois, a sua heroína ou herói decide, por eles mesmos, fazer aquilo que você queria.

Na verdade, a editora queria exatamente isso! Eles programaram a história para que você tomasse a decisão que eles queriam sem que você percebesse que eles já tomaram a decisão antes. O vínculo emocional com a personagem foi construído de maneira firme. É inevitável que você saia do cinema com a história ainda rodando na mente e que na primeira oportunidade vai recomendar para um amigo e provavelmente vai citar a personagem em sua resenha.

Crie conexões


Fonte: SEO Pressor - Ampliar Imagem

Note como as empresas estão se divulgando hoje em dia.

A Coca-Cola usa jovens adultos felizes num fim de tarde. Note como o enfoque não é mais o propósito, se refrescar, mas sim o estado de espírito das pessoas que a consomem.

Ao associar sua marca com pessoas e criar uma história ao redor disso, sobre como seu serviço resolve um problema, você dará mais força e sentido ao seu design e consequentemente à sua marca. Esse é o poder do chamado Story Telling.

Fonte: Still Motion

Caso tenha gostado desse artigo, não se esqueça de curtir e compartilhá-lo com seus amigos. Caso você tenha alguma dúvida, sugestão ou crítica, deixe um comentário aqui abaixo. Aqui, a sua participação vale muito!


É muito comum a ideia de que criar um logotipo é sinônimo de criar uma marca. A diferença entre esses termos normalmente só é percebida quando a empresa não se expressa de maneira consistente. Entenda agora 3 simples motivos para se ter um manual de identidade.


Colorido ou monocromático? Arial ou Helvetica? Qual tamanho mínimo de impressão? No atendimento ao cliente... Falar de modo mais formal ou informal? Essas perguntas representam dúvidas que normalmente não são levadas a sério na correria do dia-a-dia de uma empresa - especialmente as de pequeno porte, em que uma pessoa de diversas funções.

Você abriu sua loja virtual, fez certinho todo o marketing digital (SEO e redes sociais) e tem um produto incrível! No entanto, as vendas ainda são baixas... O problema? Podem ser as fotos de divulgação! Leia e descubra como tirar boas fotos do seu produto, mesmo com baixo orçamento.


Diferente de uma loja física que tem clientes potenciais passando na frente a todo momento, abrir uma loja virtual, se formos comparar, é o mesmo que abrir uma banca em uma ilha deserta no meio do oceano! Se você não mostrar para o mundo que EXISTE, ninguém vai passar lá. Isso pode ser resolvido com um bom trabalho de otimização do seu site para que ele esteja sempre na primeira página (de preferência no topo) em pesquisas como o Google e o Bing.

Mas se você já fez tudo isso, pode ser que você não esteja convencendo o cliente de que possui de fato um produto incrível a oferecer. Pode até ser que ele supra as necessidades do seu público alvo, mas você precisa estabelecer um vínculo de confiança com seu potencial comprador. Num meio em que é impossível ver o produto frente a frente e ainda mais tocar o produto, uma boa fotografia é o segredo. É o que poderá fazer com que seu cliente decida comprar da sua loja ao invés do concorrente.

Embora recorrer a um bom fotógrafo possa valer muito a pena (e seja até o mais recomendado), o objetivo desse post é ensinar técnicas simples para que você possa tirar boas fotos para sua loja virtual usando o seu smartphone!

Fui enfático no virtual porque se seu objetivo é imprimir um banner ou qualquer coisa do tipo, você deve deixar o seu celular de lado e investir numa câmera semi-profissional ou superior. Pois quando se trata de impressão, ainda não há sensores melhores do que os de câmeras superzoom, DLSR ou mirrorless.

Faça você mesmo

Materiais necessários

• Um Smartphone com uma boa câmera
• Tripé - ou qualquer ferramenta que possa apoiar o celular • Cartolina branca
• Uma janela ou uma grande fonte de luz natural, mas o Sol não vale... Vamos falar por que não :)
• Um pedaço de isopor ou outra cartolina
• Fita adesiva (não está na imagem)

Itens opcionais



• Conjunto de lentes externas para celular
• Luminárias, lanternas e abajures

O conjunto de lentes acima é o mais simples que existe e pode ser encontrado por até R$ 30. Desse conjunto, vamos usar a lente Macro.

Você também precisará instalar um aplicativo editor de fotos no seu celular: o Snapseed. Ele é totalmente grátis, simples de usar e tem o que precisamos para a atividade. Baixe o app em um dos links abaixo.




Materiais de limpeza também serão necessários para remover poeira ou marcas de impressão digital do seu produto. Não citarei materiais aqui porque cada objeto requer algo específico para que não seja danificado. Encontre a forma adequada de limpar seu produto.

Antes de começar...

Qual celular usar?

Os celulares lançados a partir do ano de 2012 possuem câmeras que são parecidas ou superiores às câmeras digitais de mão. Mas nem todos os celulares são bons o bastante para esse tipo de trabalho.
1. Número de megapixels… Quanto mais, melhor?
Resposta curta: Não. Mas há exceções. No mundo das DLSRs, isso não quer dizer nada. A resposta seria um grande não. No mundo dos celulares, no entanto, quando há aumento no número de megapixels (MP) normalmente isso também está associado à melhora do sensor e do conjunto de lentes.

Portanto não quer dizer que é sempre melhor quando há mais megapixels, mas geralmente esses aumentos são acompanhados pelo aumento de sensibilidade à luz do sensor e aumento da abertura da lente, permitindo a entrada de mais luz e melhoras nos softwares e chips gráficos de processamento de imagens, o que contribui para a redução de ruídos. Esses dois últimos aspectos não têm nada a ver com a câmera em si, mas são importantes para o conjunto.

Um bom exemplo de que megapixels não são tão importantes é o iPhone. De 2011 a 2014, a Apple manteve a câmera do iPhone a 8 MP (enquanto smartphones com Android e Windows dos mesmos anos ultrapassavam os 21 MP). Só em 2015, com o iPhone 6S, a Apple passou para 12 MP, um número ainda menor que a média para smartphones top de linha. Mesmo assim, a qualidade de imagem das fotos feitas com iPhones sempre foi elevada, com boa nitidez, baixo ruído, cores vivas e bom contraste. Isso porque a Apple se preocupa mais em melhorar o sensor do que aumentar o número de MP, pois assim é possível ter imagens de alta qualidade com arquivos que ocupam pouco espaço da memória.

2. Autofoco

Se o celular não for capaz de focar automaticamente a imagem (ou com o seu toque na tela), esqueça. Nenhuma foto sairá boa e você ficará frustrado.

Como sei qual é qual?

Teste. Pegue o celular, abra a câmera e tente focar num objeto relativamente próximo (não menos que 25 cm). Faça isso em local com boa luminosidade. Não teve sucesso? Então o celular não tem autofoco.

Aqui vai uma dica: os celulares que não têm autofoco, são os modelos mais simples, conhecidos como modelos de entrada. Eles custam, em média, R$ 500.

3. Sensor

A maneira mais adequada de saber se o seu sensor é de boa qualidade é verificando o manual, a fabricante ou algum especialista do seu aparelho.

Mas você também pode testar por conta própria. Veja como a sua câmera se comporta em situações de baixa luminosidade, como o lusco-fusco. Se as fotos forem muito borradas ou com muito granulado, então o sensor (ou o processador) da câmera do seu celular não é muito bom.
Quando em situações de pouca luz, o software da câmera ordena o sensor a aumentar sua sensibilidade, o ISO. Se o sensor não é muito bom, ele irá gerar mais ruídos do que informações úteis na composição da imagem. Isso porque ele tenta compensar os pixels escuros com alguma informação aleatória. Um sensor de boa qualidade irá captar o máximo possível da luz remanescente no ambiente, de modo que os ruídos serão menores.

Se o seu sensor não é muito bom, não se preocupe pois você pode tentar as fotos mesmo assim. Procure condições melhores de luminosidade para que os problemas ligados ao sensor não possam ser percebidos. E se, na verdade o objeto é que for muito escuro ou produzir muitas sombras, talvez você possa resolver isso removendo os ruídos da foto com o Snapseed.
Com essas informações você já consegue decidir qual celular tem a melhor câmera para a sua necessidade. Mas, para facilitar, listarei aqui alguns que são mais indicados para essa atividade. Mas use a lista como referência, não como regra.

iOS:

• iPhone 4S* ou superior

Android:

• Sony Xperia Z ou superior
• Samsung Galaxy S4 ou superior Samsung Galaxy Alpha
• Motorola Moto X2 ou superior Motorola Moto G2* ou superior
• Nexus 5 ou superior

Windows Phone:

• Microsoft Lumia 950
• Nokia Lumia 1020

* Não recomendo usar celulares inferiores ao iPhone 4S e Moto G2. Suas câmeras são boas, se usadas em condições corretas de iluminação, mas requerem um pouco de paciência extra. São o limite entre as câmeras de smartphones top de linha e as de entrada.

Para as fotos desse post, foi usado o Motorola Moto G 2ª geração, com Android Marshmallow (6.0).

Talvez você queira saber mais sobre fotografia e seus conceitos mais técnicos. O melhor site que já vi para iniciantes é o Dicas de Fotografia, da fotógrafa Claudia Regina. Tem até um e-book grátis com tudo o que você precisa saber para começar a tirar belas fotos.

MÃO NA CÂMERA!

Coloque sua mesa ao lado de uma janela bem luminosa


A luz do dia é a melhor luz para uma foto. Ela é bem clara e, fisicamente falando, contém todas as cores do arco-íris o que significa que você não precisa dos caríssimos refletores profissionais para ter fotos com cores bem vivas.

Então por que não usar a luz direta do Sol? Você pode sim usá-la, se for conveniente. Mas ela requer um pouco mais de prática no mundo da fotografia, já que ela é uma luz “dura”. Ela causa pontos muito luminosos e sombras muito escuras que, ao nossos olhos parecem normais, mas para os sensores das câmeras, ficam na cor preta, ocultando todos os detalhes.

Isso pode até ter um toque artístico, se você quer ressaltar a superfície do seu produto devido ao alto contraste luz/sombra. Mas na maioria dos casos, a melhor luz para foto de produtos é a suave, a qual gera um baixo contraste luz/sombra. Quando o dia estiver nublado, aproveite para tirar muitas fotos.

Prenda a cartolina de modo a formar um fundo côncavo

O fundo côncavo causa a ilusão de infinidade. Isso criará um fundo completamente neutro e sem distrações, trazendo o olhar e o foco diretamente para o objeto . Além disso, fica mais fácil fazer o tratamento da foto no app (ou no Photoshop). Um fundo neutro também é responsável por dar um ar profissional à sua foto.


Limpe adequadamente o seu produto
Ele é a estrela, o principal assunto! Você tem que olhar e querer comprar! Pode parecer que é básico, mas muitos esquecem desse passo. Não deixe que o produto seja exibido se estiver sujo.

Posicione a placa de isopor e o objeto

A placa é uma versão de baixo custo do material profissional conhecido como softbox, e atuará como um dispersante de luz diminuindo ainda mais o contraste luz/sombra, mas sem retirá-lo por completo. De modo que a exibição do seu produto fica mais palpável e suave. Veja, abaixo, a diferença entre a imagem sem o softbox, à esquerda, e com ele, à direita. Note como a sombra é mais suave quando a placa de isopor é usada para refletir a luz de volta para o objeto.



Veja como seu "estúdio improvisado" deve parecer, abaixo:


Recomenda-se usar o temporizador da câmera

A maioria dos celulares hoje em dia contam com um estabilizador digital de imagem, ou seja, eles removem trepidações da imagem e o 'motion blur', que é o desfoque por movimento. Mesmo assim, eles não conseguem lidar bem com todas as situações. Por isso, quando estiver usando o tripé, use o temporizador para que o conjunto não vibre quando tocamos no botão de capturar a foto.

Além disse, use a ferramenta de Grade da sua câmera para posicionar e alinhar bem o produto. Deixe um bom espaço branco nas bordas para que possamos cortar a imagem, mais adiante.

Use as lentes externas para aquele "algo mais"


Usando a lente macro, você pode exibir detalhes do seu produto que são dificilmente notados em fotos comuns (a não ser que sejam as de altíssimas resolução, o que não é o caso de celulares). Para conseguir uma boa foto, no entanto, é preciso de um pouco de treino e paciência.

Tratamento das Fotos


Os itens que vamos nos preocupar no tratamento das imagens são: ajuste da imagem, detalhes, cortar e girar, pincel de ajuste e correção. O tratamento da imagem não é uma "ciência exata". Entenda o que cada ferramenta faz e treine bastante, para que a imagem pareça natural.

Ajuste da Imagem



Nesse item vamos fazer as correções básicas de luz da foto. Como queremos destacar o produto do fundo, vamos aumentar: o brilho, o contraste, a atmosfera, as altas luzes e aumentar um pouco as sombras.

Brilho: Aumenta a luminosidade de toda a foto por igual. Boa para fazer correções de exposição.

Contraste: Deixa as partes claras mais claras e as escuras, mais escuras.

Atmosfera: Aumentá-la, causa um efeito mais ou menos contrário ao aumento de contraste. De modo que deixa a diferença entre os tons mais equilibrada.

Saturação Aumentá-la deixa todas as cores mais vivas. Diminuir, deixa a imagem com as cores mais próximas do preto & branco. A "Vibração" tem um efeito parecido, mas ela protege os tons da pele, isto é, aumenta menos a intensidade dos tons de vermelho e amarelo.

Altas Luzes & Sombras: Aumentar/diminuir altas luzes, altera o brilho apenas das áreas claras, deixando as áreas escuras intactas. Já a correção de sombras é o efeito contrário de Altas Luzes: aumentá-la, deixa as áreas escuras da imagem mais claras.

Calor: Aumentá-lo faz com que os tons de vermelhos fiquem mais intensos. Diminuir faz com que os tons de azul fiquem mais intensos.

Pincel de Ajuste


É uma opção de correção seletiva. Com ela podemos alterar a exposição, brilho, temperatura e saturação de áreas isoladas selecionadas pelo usuário.

Na nossa imagem, vamos usar a função Clarear/Escurecer do pincel. Não vamos exagerar muito no uso do pincel. Com a função "Escurecer" basicamente, vamos destacar o relógio do fundo branco escurecendo os detalhes em preto do relógio e também os seus contornos. Com a função "Clarear", vamos destacar um pouco as áreas importantes do produto, como o mostrador de horas. Se você clicar no ícone de "olho" no app, você poderá visualizar as áreas destacadas em vermelho indicando onde a correção foi aplicada. Veja abaixo como ficou no nosso caso.


Detalhes


Essa etapa tem dois parâmetros que podem ser mudados. O primeiro é "Estrutura". Esse, nós vamos diminuir um pouco para que parte dos ruídos sejam removidos. O segundo parâmetro, "Nitidez", deverá ser aumentado de modo a equilibrar a perda de nitidez causada pelo aumento do anterior.

Correção


Em correção, usando os dedos como pincel (assim como no pincel de ajuste), podemos remover defeitos da foto, como grãos de poeira ou imperfeições do plano de fundo.

Cortar e Girar


Aqui depende do seu caso. No exemplo, fizemos o corte na forma quadrada, que pode ser aplicada em praticamente qualquer caso. Gire a foto apenas o necessário para que o produto não esteja torto em relação à horizontal.

Resultados

Veja agora os antes e depois das fotos feitas para esse post. Clique nelas para ver em alta resolução.

Antes:




Depois:






Fonte: Pixelz - Foto com smartphone, Pixelz - Estúdio fotográfico de baixo orçamento

Caso tenha gostado desse artigo, não se esqueça de curtir e compartilhá-lo com seus amigos. Caso você tenha alguma dúvida, sugestão ou crítica, deixe um comentário aqui abaixo. Aqui, a sua participação vale muito!

Pode ficar tranquilo... Não vou dizer para você ver o Diabo Veste Prada ou À Procura da Felicidade. Eles são ótimos, mas já são um pouco velhos. Veja aqui 3 filmes do Netflix, que você pode ver sem sair de casa, atuais e que vão motivá-lo


O mundo empreendedor... Um local cheio de desafios e problemas para resolver, dia e noite, sem parar. Desafios que colocam à prova nossa capacidade de raciocínio, criatividade e, mais do que tudo, a perseverança.

O que Photoshop e Illustrator têm em comum com Vênus e Star Wars??

Fechando a semana de fotografia e ilustração, vamos conhecer os dois programas mais usados para tais finalidades. Dentre as dezenas de ferramentas gráficas existentes no mercado, há pelo menos duas das quais você certamente já ouviu falar. Estamos nos referindo à dupla favorita da Adobe: